Difusor pessoal: muito mais que um acessório

Pesquisas apontam eficácia da peça mais popular para inalação de óleos essenciais.

Por muitos anos essa peça foi vista apenas como mais um acessório de beleza. Hoje, com a Aromaterapia cada vez mais difundida no Brasil e no mundo, o difusor pessoal é uma alternativa amplamente conhecida por quem busca se beneficiar da terapia com um tratamento individual prático e seguro. É de longe o recurso mais indicado por aromaterapeutas para que seus interagentes possam usufruir de um estímulo olfativo contínuo.

E conquista cada vez mais adeptos também pela enorme diversidade de modelos: de cerâmica, cristal, prata e até aço inox. Tem para todos os gostos e estilos. Só na Harmonie são mais de 100 modelos diferentes – a maior variedade do mercado é toda produzida a mão e, em sua maioria, por mulheres artesãs.

Óleo essencial sendo pingado no difusor

Mais do que apenas popular entre os entusiastas da aromaterapia, pesquisas científicas apontam que o colar aromático é uma ferramenta eficaz para inalação de óleos essenciais. Ao pingar uma ou duas gotinhas no seu difusor pessoal, as moléculas do aroma escolhido vão ser inaladas à medida que você respira, alcançando os receptores olfativos do nariz até o sistema nervoso central e também a corrente sanguínea, pelo ar que chega aos pulmões.

Em 2019, foi publicado um estudo clínicorandomizado1 que avaliou os efeitos da aromaterapia por inalação emassagem corporal nos níveis de estresse, glicose sanguínea, fadiga e qualidadedo sono de 62 mulheres de meia idade pré-diabéticas. Elas tinham entre 45 e 65anos e foram divididas em dois grupos iguais. O grupo tratado com óleosessenciais fez uso de uma sinergia com Lavanda, Gerânio, Canela, Grapefruit,Neroli e Ylang Ylang. Para inalação do composto, as voluntárias do grupo usaramum colar aromático com 20 cm de comprimento durante o período do dia. Paramassagem corporal, a mesma sinergia foi diluída em óleo de amêndoas a 3% deconcentração, para que as mulheres pudessem aplicar fazendo uma automassagem noabdômen por 15 a 20 minutos. Os tratamentos foram administrados por duassemanas e o grupo de controle não recebeu terapia com óleos essenciais.

Os resultados indicaram diferenças significativas entre o grupo de intervenção e o de controle, sugerindo que tanto a inalação como a automassagem auxiliaram na redução do nível de estresse, quantidade de açúcar no sangue e fadiga. Houve ainda melhora na qualidade do sono no grupo que usufruiu da aromaterapia. Para determinar a eficácia, foram medidos tanto os parâmetros subjetivos de níveis de estresse como também o índice objetivo de estresse com a avaliação da variabilidade da frequência cardíaca, os níveis de frutosamina no sangue – um marcador de concentração de glicose sanguínea –, os níveis de fadiga e a qualidade do sono.

Na Coreia do Sul, outra pesquisa2 envolvendo os benefícios dos óleos essenciais para redução dos níveis de estresse confirmou a eficácia dos difusores pessoais. O estudo avaliou o efeito da inalação de óleos essenciais nos estados de estresse perceptível e seus sintomas, e em mudanças no sistema nervoso autônomo de estudantes de enfermagem em treinamento clínico. Os pesquisadores dividiram as estudantes em dois grupos: o grupo de controle, que recebeu um placebo, e o grupo experimental, que usou um colar aromático com a mistura dos óleos essenciais de Lavanda e Laranja Doce por duas semanas. Conclusão: novamente os resultados apontaram diferenças relevantes entre o grupo experimental e o de controle. O uso do colar aromático foi eficiente para a redução do estresse percebido, das manifestações periféricas de estresse e ainda provocou mudanças no índice de variação de frequência cardíaca.

São diversos modelos de difusores pessoais

Em 2013, um experimento com homens hipertensos3 revelou que a inalação via colar aromático, também por duas semanas, de uma sinergia com os óleos essenciais de Lavanda (Lavandula angustifolia), Ylang Ylang (Cananga odorata), Manjerona (Origanum majorana) e Neroli (Citrus aurantium) reduziu significativamente a pressão sanguínea e a taxa de pulsação dos homens do grupo de intervenção, quando comparado com o grupo de controle, que recebeu apenas uma solução salina.

Difusor pessoal e máscaras de proteção individual: pode ou não pode?

É interessante observar como os estudos conseguem demonstrar os efeitos emocionais e físicos proporcionados somente pela inalação de aromas através de um simples e prático difusor pessoal. E não se preocupe: em tempos de pandemia, mesmo utilizando máscaras é possível sentir o aroma no pingente e continuar desfrutando dos seus óleos essenciais. Mas não é recomendado o uso de óleo essencial direto na máscara e os motivos são muitos. Além de ser um estímulo forte que pode provocar dor de cabeça, alguns óleos essenciais podem ser irritantes à pele e/ou fototóxicos, existe inclusive o risco de oxidar o tecido da máscara com o tempo (caso utilize máscaras de pano) e ainda pode afetar a filtragem de máscaras pff2, que são os respiradores mais eficientes para proteção individual.

Ou seja, não pingue óleo essencial na máscara. O aroma será absorvido por seus nervos olfativos mesmo enquanto estiver utilizando sua proteção individual. Uma dica complementar é fazer algumas inalações profundas com o colar mais próximo das narinas, assim que pingar os óleos essenciais, quando ainda estiver em casa sem a máscara. Os pranayamas, exercícios de respiração da yoga, são técnicas muito bem recebidas pelos interagentes na prática clínica e potencializam a experiência da inalação. Inspire profundamente o aroma próximo de uma narina, enquanto mantém a outra fechada com o polegar. Expire pela narina que estava fechada, enquanto tampa a que inspirou inicialmente e então recomece a inspiração pela narina que acabou de expirar. Faça isso por até dez inspirações e alguns minutos depois esse estímulo olfativo mais intenso já começa a agir. É como um ritual para ir entrando na vibração do aroma. Depois saia de casa bem protegida e com seu colar aromático no pescoço para manter o estímulo ao longo do dia.

REFERÊNCIAS

1 Hur, M. H., Hong, J. H., & Yeo, S. (2019). Effects of aromatherapy on stress, fructosamine, fatigue, and sleep quality in prediabetic middle-aged women: A randomised controlled trial. European Journal of Integrative Medicine, 31, 100978.

2 Kim, M. H., Kim, J. I., & Ha, E. (2014). Effects of aroma-necklace application on perceived stress, symptoms of stress and changes in autonomic nervous system among nursing students in clinical training. Journal of Korean Biological Nursing Science, 16(4), 334-341.

3 Seong, K., Hong, J. H., Hur, M. H., & Lee, M. S. (2013). Two-week aroma inhalation effects on blood pressure in young men with essential hypertension. European Journal of Integrative Medicine, 5(3), 254-260.